contato@inovglass.com.br
  • (75) 3631-3388

Espelhos


Espelhos
Os espelhos são essenciais, além de trazer ao projeto um toque de elegância e sofisticação que faz toda a diferença. Traz aos espaços menores uma sensação de ampliação assim como projetam maior luminosidade aos ambientes. 

A Inovglass tem os mais variados modelos de espelhos para deixar o seu ambiente mais moderno e bonito, saiba um pouco mais sobre a fabricação e história do espelho.

Espelho (do latim speculum) é uma superfície que reflete um raio luminoso em uma direção definida, em vez de absorvê-lo ou espalhá-lo em todas as direções. Por convenção, as distâncias dos objetos são sempre consideradas positivas e as distâncias das imagens são consideradas positivas para imagens reais e negativas para imagens virtuais.

Os raios homogêneos que partem de vários pontos de qualquer objeto e incidem perpendicularmente ou quase perpendicularmente sobre qualquer plano refletor ou refrator ou superfície esférica divergem depois disso de tantos outros pontos ou são paralelos a tantas outras retas ou convergem para tantos outros pontos com precisão ou sem erro notável. E o mesmo acontece se os raios são refletidos ou refratados sucessivamente por dois ou três ou mais superfícies planas ou esféricas. 

O ponto de onde os raios divergem ou para o qual convergem pode ser chamado foco dos raios. E, sendo dado o foco dos raios incidentes, o dos raios refletidos ou refratados pode ser encontrado determinando-se a refração de dois raios quaisquer.  Onde quer que os raios que provém de todos os pontos de qualquer objeto se encontrem de novo em um certo número de pontos depois de convergir por reflexão ou refração, eles formam uma imagem do objeto em qualquer corpo branco sobre o qual estão incidindo. 

Quando uma pessoa olha para qualquer objeto, a luz que provém de vários pontos do objeto é refratada pela pele transparente e pelos humores do olho (isto é, pela túnica córnea e pelo humor cristalino que fica depois d​a pupila), de modo a convergir e se reunir de novo em vários pontos do fundo do olho, onde forma a imagem do objeto na pele (que se chama túnica retina) que recobre o fundo do olho.

História

Possivelmente terá sido a superfície da água que inspirou a fabricação do primeiro espelho. Foram descobertos nos despojos da civilização Badariana (do Egito, junto ao Rio Nilo), espelhos de cobre, deixados pelo homem primitivo no quinto milênio a .C. Mais tarde, construíram-se espelhos de prata polida, que é boa refletora, mas escurece com a atmosfera e precisa ser limpa e trabalhada frequentemente.

De acordo com os experimentos de técnicas de produção, a superfície do espelho foi a primeira a ser talhada e polida com pedras de moagem grossa e fina, areia, argila e água. O esforço para produzir um espelho com uma esfera de obsidiana é estimada em oito horas.

Espelhos antigos egípcios eram fabricados de bronze polido e placas de cobre. Estes espelhos tinham forma arredondada e um cabo geralmente feito de um material diferente, sendo alguns desses cabos ricamente decorados. Os primeiros registros escritos de espelhos metálicos na Bíblia são encontrados em Êxodo 38.8: "E ele fez a pia de cobre com a sua base de bronze, dos espelhos das mulheres que serviam à porta da tenda da congregação". Espelhos etrusco e grego muitas vezes eram ricamente decorados na parte de trás com cenas figurativas. Espelhos da Grécia antiga, muitas vezes tinham uma alça atuando como ponto de apoio.

No final da Idade Média, a técnica da fabricação de espelho foi sendo desenvolvida. O mercúrio era aplicado em papel fino montado em papel alumínio polido e coberto com outra folha de papel liso. Uma placa de vidro era colocada sobre o mesmo e levemente comprimida, e a camada de papel superior era removida. Após 10-20 horas de repouso, tempo de compressão, e até duas semanas de tempo de secagem, era fabricado o espelho. A fabricação deste espelho era incomparavelmente mais complexa do que a produção de espelhos por sopro com ligas de vidro, mas mesmo assim foi usado por quase quatro séculos.

No século 19 foi iniciada a fabricação do espelho de prata. Em 1835 foi publicado por Justus von Liebig "[...] quando se mistura aldeído com uma solução de nitrato de prata e aquece-se, a prata é depositada sobre as paredes de vidro, resultando em um espelho brilhante". . Os espelhos devem conter pelo menos 10% de óxidos, podendo ser o óxido de chumbo (PbO), de óxido de bário (BaO), óxido de potássio (K 2 O) ou o óxido de zinco (ZnO).